BNDES aposta na flexibilidade das condições para atrair investidores nos leilões

| Imagem: Google

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social está apostando na flexibilidade das condições de financiamento para atrair os investidores de geração e transmissão nos leilões de dezembro. A superintendente de Energia do BNDES, Carla Primavera, afirmou à Agência CanalEnergia, que o banco estará disponível para atender a demanda de financiamento dos vencedores tanto para os que busquem múltiplas fontes e os que recorram unicamente à instituição. “Mesmo que o mercado não se apresente como esperamos, o banco terá capacidade de atender a todos os empreendedores”, frisou a executiva.

Carla apontou a possibilidade de os empreendedores construirem a opção de financiamento que seja mais atraem para o projeto como o principal diferencial dessa rodada de leilões. Tanto em geração como em transmissão, os investidores poderão escolher entre opções de custo da dívida – TJLP, TLP e IPCA. A Taxa de Juros de Longo Prazo ainda pode ser oferecida a projetos que sejam licitados este ano. Além disso, em geração, houve uma uniformização no conteúdo a ser financiado, que chega a 80% para todas as fontes.

“Consideramos importantes essas mudanças. Mas, o que limita a participação máxima é o índice de custo da dívida [ICSD], a capacidade de pagamento do empreendedor”, observou Carla. Segundo ela, as modelagens usadas no banco mostram que a opção mais atraente para os investidores, tanto no custo do projeto como no retorno, é a opção Price de amortização, que prevê captação tanto no BNDES como no mercado financeiro, com, principalmente, emissão de debêntures de infraestrutura, além de outras instituições. “Há muito interesse no mercado pelas debêntures de infraestrutura e essa procura tem aumentado. Há um apetite maior por esse papel”, afirmou.

 

Associe-se e conheça a Área do Associado, um espaço aonde você tem acesso a estudos, apresentações, documentos dos principais órgãos do SEB e mais! Não perca tempo e entre em contato!

 

Fonte: Canal Energia.