Artigo – Energias renováveis: uma tendência mundial

Presidente da APESC, Gerson Pedro Berti | Imagem: Divulgação

No último artigo antes de deixar o cargo como presidente dos Estados Unidos, Barack Obama defendeu o “momento irreversível da energia limpa”. Ele, que elegeu combate às mudanças climáticas como uma bandeira, citou alguns dos pontos fortes na geração de energia proveniente de fontes naturais, como a diminuição da emissão de gás carbônico e o crescimento da economia a partir das novas oportunidades em torno da energia limpa.

 

A postura sustentável é uma tendência mundial. Em 2016, os países em desenvolvimento tomaram a liderança na adoção de fontes limpas, com 18% a mais na capacidade de geração de energia renovável que os países mais ricos. O grande destaque é a China, que está passando de vilã da poluição mundial a líder global em energias renováveis. De acordo com o relatório do Institute for Energy Economics and Financial Analysis (IEEFA), o gigante asiático investiu US$ 32 bilhões em fontes limpas no ano passado, 60% a mais que em 2015.

 

O Brasil também tem apresentado iniciativas positivas. A conversão da Medida Provisória n° 735 na Lei nº 13.360/2016 trouxe a possibilidade de prorrogação da concessão de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) por até 30 anos e o enquadramento como Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) para potenciais de até 5MW, simplificando o processo.

 

As fontes hídricas de geração de energia têm como vantagem a transformação limpa do recurso natural, sem gerar poluição direta. Os projetos de aproveitamento para fins de geração contemplam a proteção das matas ciliares, com resgate da fauna e repovoação dos peixes. Além disso, as PCHs possibilitam reservatórios utilizados para irrigação, consumo humano em períodos de estiagens e navegação turística. Em épocas de cheias, também colaboram para amenizar o impacto das inundações.

 

Em Santa Catarina o maior potencial de geração elétrica competitiva é a partir de fontes hídricas. Hoje, a geração de energia de PCHs e CGHs vive seu melhor momento no Estado, pois conta com o trabalho forte e atuante da Associação de Produtores de Energia do Estado de Santa Catarina (Apesc), além do apoio do Governo do Estado, que criou o SC+Energia para impulsionar o desenvolvimento da geração elétrica a partir de fontes renováveis.

 

Estamos fortalecendo este segmento, que conta hoje com mais de 200 mil empregos diretos, movimentando a economia de forma sustentável. Queremos que o setor continue progredindo e, tenho certeza que com a união de esforços entre a Apesc e o setor público, teremos resultados ainda mais positivos.

 

Fonte: APESC

Para ler a matéria na edição impressa do jornal Diário Catarinense, clique aqui.

Para escutar a entrevista no rádio, clique aqui.

Tags

Destaques