Com atraso, crise faz furto de luz subir

O furto de energia aumentou devido à crise econômica, afirmam executivos de distribuidoras elétricas.

 

A Aneel (agência que regulamenta o setor) mede as perdas da indústria e as divide entre técnicas e não técnicas -é nessa última que estão os roubos, junto aos erros de medição, de faturamento e outros desvios.

 

No ano passado, a média do índice de perdas totais foi de 10,89%. Nos 12 meses que terminaram em 17 de maio, era 13,02%, diz a agência.

 

O principal fator por trás das variações são as perdas não técnicas, segundo executivos de distribuidoras. As outras são mais constantes.

 

Em 2015, os indicadores ainda melhoraram -o impacto da crise econômica na alta da quantidade de crimes demora a ser notado, segundo Claudio Sales, presidente do Instituto Acende Brasil.

 

"Dava para antever o fenômeno [da alta de ligações clandestinas], mas não para prever o nível, até porque é preciso ver como as empresas e o poder público vão reagir."

 

A tendência é que isso cresça a velocidades mais altas.

 

"É como uma epidemia, o furto começa a ser disseminado e cresce a oferta de agentes especializados em ligações clandestinas."

 

Um diretor de uma concessionária do Rio, onde os índices são historicamente altos, diz que à crise econômica soma-se um recrudescimento da violência em áreas urbanas, o que dificulta a fiscalização e punição ao delito.

 

A expectativa é de piora nos próximos meses.

 

As distribuidoras desse Estado enfrentam índices maiores do que 12% só de perdas não técnicas. Na Eletropaulo, que atende a região metropolitana de São Paulo, esse número foi 3,5% em 2015, segundo a Aneel.

 

Fonte: Folha de SP