Aneel realizou nesta sexta-feira(29) o Leilão A-5

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizou nesta sexta-feira (29), para o suprimento das distribuidoras a partir de 2021, o 23º leilão A-5 (de energia nova) de 2016. O certame negociou a contratação de energia elétrica procedentes de usinas termelétricas (carvão, gás natural e biomassa), eólicas e hidrelétricas.

 

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) habilitou 802 projetos para o Leilão A-5 2016, correspondente à 29.628 MW de potência instalada. Desses projetos, 52 eram de pequenas Centrais Hidrelétricas, 9 termelétricas a gás natural, 5 termelétricas a carvão, 40 termelétricas a biomassa e uma termelétrica a biogás.

 

Dos 21 empreendimentos negociadores no leilão A-5 (com preço médio do produto quantidade em R$ 175,80/MWh), 9 deles são associados da ABRAPCH, são elas: PCH Canhadão (PR), com um total de 50 lotes contratados à um preço de lance e venda de R$ 195/MWh; PCH Castro (PR) com 17 lotes em R$ 195/MWh; a PCH Água Brava (MT) contratou 56 lotes com valor de lance e venda de R$ 194/MWh; PCH Água Prata (MT) com 56 lotes no total de R$ 194/MWh; PCH Clairto Zonta (PR) negociou 75 lotes com valor de R$ 184/MWh; PCH Renic (GO) contratou 18 lotes em um valor de R$ 164,73/MWh; PCH Salto Bandeirantes (PR) com 23 lotes com montante de lance e venda de R$ 194/MWh; PCH Tamboril (GO) com 53 lotes contratados com valor de lance e venda de R$ 164,73/MWh e a PCH Tigre (PR) teve 53 lotes contratados com R$ 195/MWh de valor de lance e venda.

 

Para Alessandra Torres, diretora de Assunstos Institucionais da ABRAPCH, “a participação desses  empreendimentos energéticos no primeiro leilão A-5, em especial para as Pequenas Centrais Hidrelétricas, é uma grande possibilidade de viabilizar esses empreendimentos e um estimulo ao aumento de contratação de fontes de energia limpa e renovável.

 

Fonte: Redação ABRAPCH