Leilão de energia A-4 tem deságios altos e contrata 228,7 MW médios

| Imagem: Pixabay

SÃO PAULO  -  O leilão de energia A-4 realizado hoje contratou 228,7 megawatts (MW) médios de energia, a um preço médio de R$ 144,51 por megawatt-hora (MWh). Além da baixa contratação, o certame foi marcado pelos elevados deságios, que superaram 50% no caso das fontes eólica e solar.

 

A fonte solar foi a grande vencedora, com a contratação de 172,6 MW médios, envolvendo investimento de R$ 3,8 bilhões, e uma potência de 790 megawatts-pico (MWp).

 

O preço médio da fonte foi de R$ 145,68/MWh, deságio de 55,7% em relação ao máximo estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), de R$ 329/MWh.

A fonte eólica vendeu apenas dois projetos, somando 38 MW médios de garantia física e 64 MW de potência, englobando investimento da ordem de R$ 357,36 milhões. O preço médio foi de R$ 108/MWh, deságio de 60,9%.

 

O leilão também contratou duas pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), de 9,5 WM médios de garantia física e 11,5 MW de potência. Os empreendimentos somam R$ 31,1 milhões em investimentos e tiveram preço médio de R$ 181,63/MWh, desconto de 35,36%.

 

Por fim, foi contratada uma termelétrica a biomassa, com preço de R$ 234,92/MWh, desconto de 28,6%. O projeto tem 8,6 MW médios de garantia física e 25 MW de potência, e envolve investimento de R$ 44,160 milhões.

 

No total, o certame envolveu 39,113 milhões de MWh e investimentos de R$ 4,286 bilhões.

 

Empresas

Apenas sete distribuidoras de energia apresentaram demanda para o leilão A-4 realizado nesta segunda-feira. A principal compradora foi a CEA, do Amapá, que comprou 10,874 milhões de megawatts-hora (MWh), ou 26,8% do total transacionado.

 

A Ceal, do Alagoas, aparece em seguida, com 10,3 milhões de MWh, 26,4% do total vendido.

 

Também tiveram demanda no leilão as distribuidoras Copel (15,8% do total), Coelba (10,58%), EDP Espírito Santo (10,19%), Cepisa (5,82%) e Elektro (4,23%).

 

Associe-se e conheça a Área do Associado, um espaço aonde você tem acesso a estudos, apresentações, documentos dos principais órgãos do SEB e mais! Não perca tempo e entre em contato!

 

Fonte: Valor Econômico.