ABRAPCH quer apoio do BRDE para garantir repasse de recursos das multas do IBAMA para melhorar a est

A equipe de jornalismo da emissora Bandeirantes esteve presente no dia 03 de março, em Florianópolis, na  segunda edição do workshop “Linhas de Financiamento e Engenharia Financeira para Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas”, promovido pela Associação Brasileira Pequenas Centrais Hidrelétricas (ABRAPCH) em parceria com o Banco Nacional do Extremo Sul (BRDE) e com o apoio da Associação de Produtores de Energia de Santa Catarina (APESC), do programa “SC Mais Energia”, da empresa Concretizar Engenharia de Obras e do site “Portal PCH”. O evento reuniu mais de 160 interessados no setor de energias renováveis, entre eles investidores, empresários, consultores e prestadores de serviço.

Segundo a reportágem produzida pela emissora, Santa Catarina foi escolhida para receber o evento, pois é um estado que tem se destacado na preocupação e no incentivo no uso de energias renováveis, atitude reforçada com a criação do programa SC + Energia que, em menos de 8 meses, já vem conquistando bons resultados. Atualmente o estado tem 19 pequenas centrais hidrelétricas sendo construídas e segundo João de Nadal, Diretor do SC + Energia, existem aproximadamente mais de 60 projetos inscritos a serem aprovados e viabilizados: “Essa totalidade supera 2 mil MW a mais no sistema”, completa Nadal.

Para colocar em prática esses projetos de PCHs, os empresários têm encontrado muitas barreiras burocráticas com financiamento, garantias e preço da energia elétrica, por exemplo. Para viabilizar e facilitar esses aspectos, o BRDE tem grande importância, e tem exercido papel de destaque no fomento e apoio a novos projetos de centrais hidrelétricas de pequeno porte, segundo Neuto de Conto, Diretor Presidente do BRDE SC: “O banco tem linhas de crédito suficientes para suportar todos os projetos que procurarem o BRDE”, além da facilidade de financiamento e créditos, o banco também se preocupa em destravar outros empecilhos, como por exemplo a facilidade de obtenção do licenciamento ambiental e melhoras nas linhas de conexão. Segundo Ivo Pugnaloni, presidente da ABRAPCH, além de todos os benefícios dos reservatórios as áreas de preservaçã permanente contribuem muito para a recuperação da fauna, flora e recursos hídricos. “Reservatórios muito pequenos, muito apropriados para psicultura, aquicultura, fruticultura irrigada, e lógico nós temos que construir a área de preservação permanente em volta com espécies nativas de flora e fauna que são verdadeiros parques ambientais.”

No evento, o Presidente da ABRAPCH ressaltou a necessidade de apoio do BRDE no tocante a conseguir-se repassar recursos das multas recolhidas pelo IBAMA para reequipar e estruturas os orgãos ambientais estaduais.

Assista aqui o vídeo da cobertura na íntegra.